NETFLIX DESPERDIÇA OPORTUNIDADE COM O FILME BRIGHT; LEIA ANÁLISE


Um filme de ação que mistura trama policial com personagens de fantasia é estrelado por Will Smith no dia 22 de dezembro e, até o momento, está com uma boa repercussão.

BRIGHT” é um filme original da NETFLIX e foi dirigido por David Ayer, o mesmo que produziu “Esquadrão Suicida”, teve uma audiência total de mais de 12 milhões nos primeiros dias.

O filme, como dito no início, estrelado por Will Smith, conta a história de um policial chamado Ward e um ORC, chamdo Jakob (Joel Edgerton), que se tornam guardiões de uma varinha mágica (não, não é a varinha do Harry Potter) que não pode cair na mão de autoridades, criminosos e várias criaturas sobrenaturais. O objeto acaba caindo nas mãos de Tikka (Lucy Fry - foto abaixo), que precisará da ajuda dos dois protetores contra as forças sombrias.

Copyright Netflix / Matt Kennedy
Quando decidi assistir o filme, fiz várias pesquisas e vi que alguns “críticos” deram nota baixa para todo o enredo, mas quando li a história, onde falava sobre essa interação entre humanos, ORC e Elfos, “super” me interessei e mandei “V”. Comecei a assistir as 02h30min, porque estava sem sono e terminei quase 06h00min, porque assisti DUAS vezes para entender. Hahaha

Já aviso de antemão que “BRIGHT” não é um “puta” filme, que pode concorrer ao OSCAR. Digo isso, porque o filme gira em torno do personagem de Will Smith, apenas. Poderia ser muito melhor se mais personagens tivessem sido abordados, como por exemplo, o ORC Jakob que é o primeiro policial de sua raça.

Para o gênero de ficção científica, para quem gosta, ele é muito recomendável. A direção de arte é impecável, maquiagem (no caso dos orcs) é sensacional, ficaram naturais e muito realistas. Bem diferente dos demais filmes do gênero, quais estamos acostumados a assistir, onde todos os efeitos são computadorizados.

Copyright Netflix / Matt Kennedy
A história do filme, que está no início do post, se torna interessante devido a forma diferente no qual foi tratada. Trazer o mundo da fantasia para o real, com todo o contexto urbano e críticas sociais, pelo menos para mim, é algo novo e deu muita força para o filme ser o que é.

Eu, Ruan, acredito que, para quem gosta de ficção científica, vale muito assistir “BRIGHT” e tirar suas próprias conclusões. Para quem gosta de elfos, orcs, fadas, ação e claro, Will Smit, o filme é uma boa pedida.



E aí, você assistiu o filme? Gostou? Conta pra gente aqui nos comentários!

Não se esqueça de seguir as redes sociais do blog, tá?

Instagram: @blogandocultura
Facebook: /blogandocultura

Com CULTURA, Ruan Morais.

17 comentários:

  1. Falou mto e não falou nada.. Vi o filme.. O filme é bom, mas deixa mta coisa em aberto como quando começou essa interação de humanos e seres místicos, pq a raça de elfos e tão superior e pq aquele elfo polícial não enfrentou a vilã do filme sendo que ficou parecendo o filme inteiro q eram tipo rivais, que ele a conhecia, e no final não rolou um fight, fora que Will Smith mandou a família dele embora e ninguém foi atrás .. Resumindo.. Bom filme vale a pena assistir, bom entretenimento para uma tarde.. Mas não espere algo marcante..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvidas o filme é ótimo! Como se não bastasse, além de apenas um personagem ser abordado, ainda teve essas questões levantadas por você. O Jakob (ORC) provavelmente tem uma história incrível. Como ele se tornou policial? Além de não sabermos como se deu a interação entre o mundo dos humanos com orcs, fadas e elfos, não tem como saber quem é quem, se têm alguma "richa" com alguém ou algo do tipo. Pela repercussão que a NETFLIX deu para o lançamento do filme, realmente muitas pessoas esperam mais.

      Excluir
  2. Acredito eu que vai virar uma série

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se chega a virar uma série, sabe? Mas um segundo, terceiro filme, acredito que sim. Se virasse uma série, seria melhor, porque ficaria mais claro a história, eu espero. Mas vamos ver no que vai dar haha

      Excluir
  3. Acho que o povo não entendeu a essência do filme... primeiro o universo do filme é como se fosse um mundo paralelo... os orcs e as outras criaturas convivem com os humanos desde sempre... tanto que eles falam de uma guerra a mais de mil anos.... Porém concordo com a crítica, mais uma vez o diretor puxando saco do will smith coloca só ele no centro das atenções e o filme todo gira em torno dele... mas o orc lá rouba a cena... A critica social do filme é sobre preconceito e mesmo racismo... os orcs seriam como se fossem os "negros" onde sempre fariam partes de gangues e os seres humanos são preconceituosos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, beleza? Na verdade, não tinha entendido essa questão do mundo paralelo. Valeu demais por ter esclarecido hehe. Sobre a atenção dos personagens, o ORC rouba a cena, porém como ele chegou ali? Como foi essa tal guerra? Não sei, o filme coloca muita coisa na cabeça da gente e no final não coloca nada haha. Quanto ao preconceito, isso ficou claríssimo e foi um ótimo ponto a ser abordado pelo filme.

      Excluir
  4. Respostas
    1. hahahaha! não é tão ruim assim, mas poderia abordar muita coisa, contextualizar a história, sabe?

      Excluir
  5. Filme horroroso! Sem pé, nem cabeça! Mistura de personagens, de enredos. Começa o filme com "o Fada", mistura com Orcs, Elfos, humanos. Está na lista dos piores filmes que já vi. PÉSSIMO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, eu acho que essa mistura de personagens e histórias diferentes (embora não tenham sido contadas) foi o que deixou o filme interessante, sabe? Embora o roteiro seja a mesma questão de DUAS pessoas e UMA mocinha, tentando salvar o mundo da devastação, essa mistura de DOIS policiais, UM humano e o outro ORC, elfos, fadas e afins, é o que chama a atenção do público para assistir o filme.

      Excluir
  6. filme estilo maquina mortifera. Chato e roteiro batido. não é atoa q eu dormi no filme. Mesma historia de sempre de dupla policial tentando salvar a mocinha e o mundo dos bandidos. O interessante que seria explorar os orcs e elfos nesse mundo criado não foi mto abordado. Simplesmente os orcs são os bandidinhos e os elfos os riquinhos. Mto ruim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente já está cansativo essa história, sabe? Mas, o que chama a atenção no filme é essa mistura de elfos, orcs e fadas, o que não é tão comum nesse tipo de história. Vamos ver no segundo filme como isso vai ficar, né?

      Excluir
    2. concordo com o q vc falou q nao é comum mas esse incomum q teria q chamar atenção nao foi explorada como eu falei. Eles criam um mundo onde pode sair mto coisa boa e diferente mas volta pra akele roteiro chato e previsivel, q acaba nao mudando nada. O negocio é q fica tão batido esse roteiro q nao dá vontade de ver segundo filme, se é q terá!

      Excluir
    3. Mas você não acha que chamou a atenção, mesmo que pouco? Eu "super concordo" que deveria ter sido muito mais explorada. Como eu disse, tudo estava impecável, porém, pecaram em não desenvolver a história, levando para um lado que todos os filmes levam, o que o torna bem batido.

      Excluir
  7. A fotografia e música do filme nos envolve de uma forma sensacional. Essa inclusão da ficção e fantasia em um cenário urbano é no mínimo instigante. Porém o enredo foi um tanto quanto infantil.
    Resumo do filme, uma mistura de Harry Potter com Duro de Matar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "UMA MISTURA DE HARRY POTTER COM DURO DE MATAR" EXATAMENTE ISSO! FALOU TUDO! Cara, quando vemos que seres "místicos" e humanos trabalham juntos em um cenário que atualmente está em alta, claro que vai despertar nossa atenção, né? O seu comentário realmente falou tudo!

      Excluir

Instagram