2 comentários

CARGO | FILME DE ZUMBI DA NETFLIX, NÃO ASSUSTA, MAS EMOCIONA. CONFIRA!

30.5.18
martin-freeman-em-cena-do-filme-cargo-blogando-cultura

Zumbis já foram explorados de todas as formas possíveis, em diversos filmes com a temática “mundo pós-apocalíptico”.

Bom, se você me acompanha aqui no blog, sabe o quanto eu gosto de filmes que envolvem zumbis, mortos-vivos, vírus, infecção e afins.

No dia 18 de maio, o filme Cargo foi lançado na maior plataforma de streaming do mundo, a Netflix e, a princípio, passou despercebido por mim, pois eu estava focado em uma série. Porém, um dia desses assistindo alguns stories no instagram, vi que o ator Diego Goullart, de Malhação Vidas Brasileiras, postou sobre o filme, dizendo que ele tinha uma pegada pós-apocalíptica. Tendo em vista essa temática, fui obrigado a tirar um tempo para assisti-lo.


Antes de tudo, queria agradecer ao Diego por ter discutido um pouco sobre o filme comigo. GRATIDÃO!




O ENREDO


Ambientado na Austrália, Cargo tem como protagonista o ator Martin Freeman, o Bilbo da trilogia " The Hobbit". Martin vive Andy, que junto de sua esposa e filha, estão se isolando das pessoas, devido uma pandemia zumbi.


Toda a trama do filme começa quando Andy corre contra o tempo para salvar a filha, assim que ele e sua esposa são infectados. São apenas 48 horas para que o vírus manifeste na pessoa e ela começa a ter aqueles ataques que estamos acostumados a ver em outras franquias com a mesma temática.


A única saída para Andy e sua filha pode estar em uma tribo aborígene, que está isolada de tudo e de todas as criaturas. Para isso, ele conta com a ajuda de uma jovem da tribo, porém, também tem que ajudá-la em uma missão perigosa.





Beleza, Ruan! Até aí, nada de diferente em relação a outros filmes com zumbis. Qual a novidade?

Bom, eu não diria novidade, mas o diferencial no filme Cargo, em relação à Resident Evil, TWD e outros do mesmo gênero, é que não há muita ação entre os humanos e os zumbis. Você é instigado a acompanhar a narrativa do início ao fim, com um único propósito: saber o que o pai irá fazer para proteger a sua filha de si mesmo, apenas.

MINHA OPINIÃO


De tantos filmes e séries relacionadas a zumbis, acaba que qualquer um com essa temática entra no time de "saturados". O filme Cargo é "ótimo", me cativou, me prendeu, me fez acompanhá-lo até o final. Acredito eu, que é por curiosidade em saber o que o protagonista ia fazer após ser infectado. Mas, além dessa curiosidade, várias outras foram despertadas:
  1. Qual a origem do vírus?
  2. Como as pessoas foram infectadas?
  3. Qual a origem da tribo aborígene? 



Nada disso teve explicações e, se tiveram, foram poucas ou passaram despercebidas, não só por mim, mas, provavelmente, por algumas pessoas que assistiram. Pelo menos a tribo deveria ser um pouco mais explorada, já que durante o contexto, ela parece ser de grande importância para o momento e traz um ar de esperança no final. 

Outra questão é a inserção de personagens e cenas que não agregaram nada a história. Os personagens não têm desenvolvimento e, quando estão prestes a ter, morrem. Já as cenas, parecem não ter ligação uma com a outra. A maioria é cortada por diálogos sem nexo. Até que isso não afetou muito o enredo, tendo em vista que mesmo assim deu um ritmo para o filme.


cena-do-filme-cargo-blogando-cultura
Foto: NETFLIX


O cenário é bem bonito, algo que é muito difícil de ver em filmes desse gênero. Ah, a trilha sonora é impecável. Trouxe todo um movimento para a história.

Por fim, como dito, o filme tem uma pegada diferente, voltada mais para a emoção e humanização, do que para a ação, como estamos acostumados a ver.


E aí, você assistiu o filme? Gostou? Concorda com os pontos levantados? Conta pra gente aqui nos comentários!

Não se esqueça de seguir as redes sociais do blog, tá?

Instagram: @blogandocultura
Facebook: /blogandocultura

Com CULTURA, Ruan Morais.
Continue Lendo

2 comentários:

  1. Belíssimo filme, por vezes difícil de ser visto, mas vale a pena o esforço, pois aqui o que mais se sobressai é que há humanidade ainda diante do total caos - como aqui, nesta pegada zumbi, distinta de todas as outras pirotecnias já inventadas sobre a temática repetida à exaustão... Faz-nos repensar em cada segundo já perdido em nossa cotidianeidade tecnológica e que nos frustra a todo o momento. Talvez um merecido nove!

    ResponderExcluir
  2. Exato! Pra mim, um dos melhores filmes, ibdeindepend das falhas. Quem nunca erra, ne? Gostaria muito de uma continuação, por mais filmes assim, que despertam e traz outro lado da história.

    ResponderExcluir

Blogando Cultura - 2018 Design e desenvolvimento por: Lariz Santana