0 comentários

CRÍTICA | ALEX STRANGELOVE É UM ROMANCE AGRADÁVEL, REPRESENTATIVO E NECESSÁRIO

2.7.18
alex-strangelove-critica-netflix-blogando-cultura


Produções adolescentes com protagonista gay vem se tornando cada vez mais frequentes na NETFLIX. Confira!
Depois de “Me chame pelo seu nome” e “Com amor, Simon”, chegou a vez de “Alex Strangelove” ganhar o seu espaço e reforçar essa representatividade.



O filme gira em torno de Alex Truelove (Daniel Doheny), um adolescente como qualquer outro, porém com um sobrenome bem esquisito. O garoto, que está no auge da puberdade, conhece Claire (Madeline Weinsten), no qual se tornam “mais que amigos, friends”.

Dessa amizade do pop, acaba surgindo um namoro. Após alguns meses, ambos resolvem ir para um outro nível da relação: a primeira transa. Mas há um probleminha para chegar a esse nível: Alex é virgem.

Além de todos os conflitos que vários jovens passam nesse período do relacionamento, como por exemplo, o medo de falhar na hora H, de não saber usar o preservativo e por aí vai, o jovem Alex tem que lidar com uma outra situação, chamada Elliot (Antônio Marziale).


alex-strangelove-critica-netflix-blogando-cultura
Alex Truelove - Daniel Doheny


Bom, Elliot é gay e conhece Alex em uma festa. Eles também se tornam “mais que amigos, friends”, porém, Elliot não esconde o desejo de ter algo a mais com Alex. A química entre os dois cresce de forma incrível, que Alex começa a questionar o seu sentimento por Elliot. 

Como Alex namora com Claire, uma MENINA, fica confuso com toda essa situação e começa a viver dramas que muitos adolescentes vivem nos dias de hoje: decidir/assumir sua sexualidade, tanto para família, quanto para os amigos.

Então, essa é basicamente a história do filme, sem tirar nem por.  


O QUE ACHEI DO FILME? CONTÉM SPOILER!


Vamos lá! Como eu disse, filmes com essa temática estão ganhando mais espaço, porém estão com um final que é possível "imaginar".  Alex Strangelove, apesar de ser previsível, é um filme agradável, necessário nos dias de hoje e que pede continuação.

O filme não é longo (01h40min), entretém (quando iniciado, esqueça. Você não vai conseguir parar de assistir), pois a proximidade com os personagens é incrível. A cada cena, cada desenvolvimento, praticamente nos colocamos na situação de cada um e pensamos sobre como devem agir.

Quando eu disse que o filme pede continuação, é devido aos seguintes questionamentos: Será que os pais e amigos irão aceitar Alex depois de sua decisão? O que aconteceu com Claire, ex-namorada? E a mãe dela? Morreu? Alex seria hétero, gay ou bi? Essas questões poderiam ter sidos exploradas nesse primeiro filme, já que tempo não faltou. Ou seja, o desenvolvimento foi lento.



Então, é isso! Esse foi o post de hoje ;)

Já assistiu o filme? Gostou? Concorda com o que foi dito? Conta pra gente aqui nos comentários!

Ah! Nos siga também no instagram que está logo abaixo ou clique AQUI para ser direcionado ;)

Instagram: @blogando_cultura

Com CULTURA, Ruan Morais!




Continue Lendo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Blogando Cultura - 2018 Design e desenvolvimento por: Lariz Santana