Super Drags | Crítica da primeira temporada. Confira! - Blogando Cultura Super Drags | Crítica da primeira temporada. Confira! | Blogando Cultura
18 comentários

Super Drags | Crítica da primeira temporada. Confira!

9.11.18
super-drags-netflix



“Aquenda”! É hora de montar! Sim, esta alusão a Power Rangers é usada na nova série da Netflix, chamada Super Drags.


Bom, nesta sexta-feira (09), a NETFLIX, maior plataforma de streaming do mundo, lançou sua nova animação, chamada Super Drags. Antes mesmo de sua estreia, o desenho já estava causando nas redes sociais, devido as heroínas serem drag queens.

Por se tratar de uma animação/desenho, muitos pais ficaram preocupados com o que os filhos iriam assistir na plataforma e no como a nova produção iria aparecer no catálogo. A Sociedade Brasileira de Pediatria junto a outros órgãos que defendem a “integridade” da criança, entraram com um pedido de cancelamento da série, mas a Netflix ressaltou que Super Drags é direcionada para adultos e não para crianças. Cá entre nós, isso fica bem explícito no primeiro episódio. Pra ser bem específico, na primeira cena da série”.

Super Drags


Super Drags é uma série criada por Anderson Mahanski, Fernando Mendonça e Paulo Lescaut. A trama apresenta as aventuras de Donny, Patrick e Ralph, que durante o dia trabalham em uma loja de roupas e a noite se transformam em Scarlet Carmesim, Lemon Chifon e Safira Cian. Elas são TRÊS drags que protegem a comunidade LGBT dos crimes que acontecem na cidade. Junto delas estão Goldiva, dublada pela cantora Pabllo Vittar e Vedete, dublada por Silvetty Montilla.

super-drags-netflix
Fernando Mendonça, Silvetty Montilla, Marcelo Pereira, Pabllo Vittar, Anderson Mahanski (no chão), e Paulo Lescaut. Foto: Ernnacost / Netflix

Ao contrário das demais séries com super-heróis que estamos acostumados a assistir, onde são bons moços que salvam o mundo de toda e qualquer catástrofe, Super Drags está longe de ser assim, modelos exemplares de heroínas. São personagens com um vocabulário sujo, piadas e alusões extremamente sexuais, além das cenas serem explícitas demais.

Como dito no início do post, logo na primeira cena, onde aparece um veado (animal) comendo um mato em formato de pênis ou pinto, como você quiser chamar, dá para perceber que a série jamais seria destinada aos nossos pequeninos.

Super Drags, ao meu ver, não foi criada para militar (embora seja uma forma de representatividade). O foco principal foi a comunicação com o público LGBT, principalmente da internet, mais especificamente do twitter, que é considerado por muitos como o vale dos homossexuais, onde vários dialetos são usados, trazendo um pouco de humor para a série. Por exemplo: “é união que você quer, @?", "Manas", "Pocs" e por aí vai.



No decorrer dos episódios, que por sinal são CINCO, cada um com aproximadamente 25 minutos, é possível notar várias críticas sobre homofobia (preconceito), mídia (como ela é usada para disseminar o ódio ao público LGBT), padrões impostos pela sociedade (separação entre coisas de menino e coisas de menina), dentre outras questões que estamos cansados de vivenciar no dia-a-dia. Inclusive, a série faz alusões a vários desses assuntos.

super-drags-netflix


Referências


Super Drags é cheia de referências (alusões) a assuntos que estão presentes no dia de hoje.  Um deles é sobre o meme de várias crianças se chamarem Enzo e Valentina. Outro é sobre a CURA GAY, onde um grupo de religiosos promovem o tal remédio. Tem até um caso que um personagem, cansado de ser xingado pelo pai por não ser o que ele queria, resolve ir atrás do tal “remédio” e é quase que torturado.

Além dos assuntos, a animação também faz alusão a desenhos que já conhecemos. Se você, como eu, não ia para a escola enquanto não terminasse TV Globinho ou SBT, vai perceber que Super Drags foi inspirado em “Três Espiãs Demais”, “As Meninas Super Poderosas”, “Sailor Moon”, “Power Rangers” e até “Dragon Ball Z”, o que pode causar polêmica e incomodar muita gente, já que os desenhos eram bem infantis e nesta produção estão bem adultos, afinal, a série é para adultos.

16 anos pode se considerar adulto, gente? Tô confuso!

Roteiro


Por ser uma série curta, CINCO episódios como eu disse, o roteiro ficou show e, provavelmente, cada dublador foi escolhido a dedo para cada personagem se concretizar. Pabllo Vittar, que dubla a cantora Goldiva, tem seu destaque maior por já ser da mídia, podemos dizer assim e dessa vez foi longe demais. Não podemos tirar o mérito dos dubladores dos outros personagens, que se entregaram ao máximo, claro.



Super Drags - Opinião final sobre a série


Resumindo, Super Drags é uma ótima série para quem quer se distrair com os amigos ou sozinho mesmo. Eu, Ruan, por mais que tenha “gostado”, achei um pouco apelativa, porque parece querer fazer com que a sociedade engula que o público LGBT é assim, com vocabulário sujo, escandaloso, só pensa em se expor e em sexo. E sabemos que não é bem assim, né?

No mais, como no dialeto, Super Drags é um CLOSE CERTO!

E aí, assistiu a série? Gostou? Concorda com o que foi dito aqui no post? Não? Então vamos debater nos comentários! Vou adorar saber a sua opinião.

Ah! Clique AQUIe me siga lá no instagram, pls! Se preferir, é só procurar @euruanmorais.

Com CULTURA, Ruan Morais!

Continue Lendo

18 comentários:

  1. VAI TER DESENHO DE VIADO NA NETFLIX SIM!
    Mesmo que eu não seja adepta de ver séries, eu fiquei feliz demais com essa produção. Ouvi uns comentário horríveis e cheio de preconceito sobre ela, mas vou defender esse tipo de conteúdo sim. É para adultos, e meus amigos me disseram que é bem engraçada haha.
    Também não concordo com alguns esteriótipos, mas, como você disse, foi um acerto/close certo da Netflix!
    beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Real! Sem falar que não aparece para as crianças que possuem a conta infantil, o que é o correto para a idade delas, então, VAI TER DESENHO DE VIADO NA NETFLIX SIM HAHA. A única questão da série é só o vocabulário mesmo, parecendo exigir que para ser viado, você tem que ser sujo, escandaloso e blá blá blá. O close foi certeiro <3

      Excluir
  2. Gostei da sua resenha e como expôs seu ponto de vista. Eu amei a série só achei uma pena ser tão curto os episódios. A propostaficou boa, o foco não era militar era pra ser um pouco mais divertida e nos fazer lembrar dos nossos desenhos de infância. Tinha muita "putaria"? Tinha até demais, mas isso não impediu de passar várias mensagens para quem quer que for assistir. E recomendo pros meus amigos todos ^-^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, a série é boa, tirando essas questões explícitas demais. Acaba que, de certa forma, tentar colocar o público LGBT como pessoas com vocabulário sujo, escandalosas, loucas por sexo e blá blá blá. No mais, a mensagem foi passada direitinho hehe

      Excluir
  3. Olá! Acho que não sou capaz de opinar tanto por não ter assistido. Mas independente de ser uma série LGBT, acho que as pessoas deveriam ter mais respeito e não causar tanto por coisas tão pequenas.
    Já tinha ouvido falar da série e, assim como comentários positivos, ouvi também vários negativos.
    Enfim, quero ter a oportunidade de assistir e formar a minha opinião.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando tiver um tempinho, assista! Mas já vai com a convicção que você irá ver e ouvir coisas bem desagradáveis e não é mimimi da minha parte haha.

      Excluir
  4. Eu acho ruim esse vocabulário sujo, acaba dando uma interpretação errada, acho muito legal ter gírias e coisas do nosso dia, mas coisas sujas, eu sinceramente não gosto, o máximo que gostei foi Bojack, mas isso porque as reflexões e a realidade de acontecimentos vale a pena. Se em Super Drags tem coisas legais para pensar também, vou dar uma chance kk Adorei a resenha, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siiiim! Esse vocabulário é o que matou. Parece reforçar que o público LGBT é desbocado, escandaloso e por aí vai. As coisas não são bem assim rs. Tirando isso, as mensagens são bem positivas, dá um tapa na cara dos preconceituosos e vale muito a pena assistir ;)

      Excluir
  5. Fico um pouco receosa em assistir exatamente por medo de que seja um pouco apelativa demais, mas confesso que vou tentar para matar a curiosidade.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Mari! É um pouco apelativa, não vou mentir. Mas a mensagem, o contexto que ela passa é extremamente importante. Pode assistir sem medo hehe

      Excluir
  6. Quero muito ver!!! To achando incrivel a netflix investindo nesse tipo de seriado, documentário, etc, que retrate as minorias e as coloquem como poderosas (como deveriam ser!). CUrti muito a tua resenha e to apaixonada pelo layout do blog hehe ganhou uma nova leitora

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assista, sério! São produções que já deveriam ter vindo antes, né? Mas ainda tá em tempo hehe. Obrigado pelo comentário, por ter gostado do layout e agora te espero aqui em todos os posts hahahahahaha.

      Excluir
  7. Bem provavel que adolescentes de 16 em muitos termos são considerados "crianças" então talvez fosse interessante a classificação ser 18 anos. Por outro lado aborda tema contemporâneo, acho que o fato de ser uma animação de super herois por si ja chama mais atenção de crianças. Gostei da sua maneira de abordar o tema aqui

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também pensei o mesmo, já que o contexto da série é explícito demais, a classificação poderia ser maiores de 18. Mas, como você disse, o tema é bem contemporâneo e necessário, principalmente para a formação desses jovens de 16 anos. Sei lá...

      Excluir
  8. Ahh eu tô muito afim de assistir essa série <3 Acho muito e importante que a comunidade LGBTQ seja representada! Fui na Parada Livre em Porto Alegre essa semana e é lindo de ver essa galera sendo representada e ouvida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É necessário até demais! Produções com esta temática já deveriam estar entre nós há tempos rs. Representatividade é tudo! Vi suas fotos mesmo e quero ver mais. Posta, mulher hehe <3

      Excluir
  9. Oi, Ruan! Tudo bom?

    Eu ainda não assisti o desenho (acaba, semestre, pelo amor da deusa!), mas já acompanhei muitas discussões a respeito no site feices. Tendo a concordar com o pessoal que dize que, mesmo que a animação tenha pegado pesado nesses estereótipos da comunidade LGBT+, foi uma conquista importantíssima em questão de representatividade! Quando assistir a série de fato, te conto o que achei haha

    Abraços,
    Gislaine Motti | Literalize-se

    ResponderExcluir
  10. Opa! Tudo ótimo e ai? Entendo! É uma conquista e tanto, mesmo com o modo apelativo em que colocou o público LGBT+.

    ResponderExcluir

Blogando Cultura - 2019 Design e desenvolvimento por: Lariz Santana